Comentário de Luiz Rocha à Tertúlia #6

Luiz Rocha

Tertúlia #6

Esta Oficina nortista, centrista, sulista, insularista, elitista e liberal, ganhou decididamente o hábito de organizar jantares seguidos de debate. Não sei se pela qualidade do repasto, pela vetustez do local que vem sendo amavelmente cedido pelo Manuel, um rapaz que tem a distinta lata de se assumir (coerentemente) centralista e comunista, se pelo interesse (?) dos temas propostos, certo é que, seja para comer ou para discutir, tem havido sempre casa cheia.

O último evento não foi excepção. Realizado na passada 6ª feira, numa noite de bonança quase estival (quiçá prenunciadora da tempestade de Sábado), convidativa para tudo menos para discutir a “questão La Palissiana” do estado em que nos deixa o Orçamento, o que diz muito da falta de gosto dos liberais. E também da sua enorme resiliência (adoro este jargão do economês), terá pensado o Daniel Bessa quando manifestou o seu espanto na saudação inicial, ao constatar ter sala cheia. É isso mesmo, em 2018 os liberais já conseguem encher uma sala em Portugal. Seria por estarem presentes 2 líderes (um já efectivo, outro então ainda presumível) de 2 neo-partidos que se afirmam neo-ultra-supra-hiper-mais 50 adjectivos hiperbólicos-liberais, que arrastaram as suas “aguerridas bases”, como defendiam vários crentes? Ou relevaria sobretudo o mediatismo dos convidados, como contrapunham prosaicamente alguns irritantes incréus?

Enfim, fosse pela aridez do tema ou pela argúcia do moderador Alexandre, que soube radicalmente agulhar para áreas mais estimulantes, pouco se falou do orçamento. Também não havia necessidade, que o Daniel resolveu a questão em 3 escassos minutos numa brilhante síntese que até meteu alguma história do intervencionismo estatal: começámos por pagar impostos para custear as funções de soberania (bons tempos!), depois houve que financiar as políticas desenvolvimentistas (o Estado a meter-se na economia) e agora pesam sobretudo as funções sociais (a descarada “compra de votos”), cujo contínuo aumento monopoliza hoje as discussões de mercearia de cada orçamento. Eternos perdedores, os pagadores líquidos de impostos (muito bem representados nos tertulianos presentes), sempre maltratados, já em fase minguante e que em cada ano sabem apenas que irão pagar mais. E com mais uma ou outra diatribe do Camilo, ficámos conversados quanto ao orçamento: deixa-nos sempre em estado deplorável.

A animação veio depois quando o Alexandre, entre um palestrante dragão e outro lampião, meteu obviamente a Regionalização ao barulho, na esperança de criar algum frisson entre eles:
– Imagino que seja uma temática em que estejam em desacordo…
– Não, não estamos! – cortou logo cerce o Daniel, fazendo gala de imperdoável traição às cores que diz apoiar.

E daí passaram ambos os palestrantes para a intensa e habitual zurzidela aos caciques locais e pela rejeição liminar de qualquer novo escalão intermédio de poder, coisa que iria exponenciar as desventuras e desgraças da Pátria. Regionalização jamais, descentralização sempre!

E a sala veio abaixo. O Gastão foi o 1º a insurgir-se, algo chocado pela imprevista dupla de centralistas pesos-pesados que tinha pela frente e tratou de realçar as virtudes da proximidade, a retirada de poderes ao centro a favor da periferia, a lógica virtuosa (e utópica?) que deve presidir a um processo de regionalização. Mas as intervenções de fundo vieram dos 2 neo-líderes partidários presentes, dir-se-ia que já a afinarem a tarimba para as exigentes campanhas que se aproximam:

– Mais tribunícia a do Carlos Guimarães Pinto, centrada no mais fácil escrutínio a nível local, no reduzido peso da dívida das autarquias, no fosso crescente entre a Lisboa cosmopolita e competitiva e o restante País “romenizado”, no sucesso dos Açores e da Madeira, este logo menorizado pelo Daniel e pelo Camilo (foi tudo dívida!);

– Mais “revolucionária” a do Carlos Novais, um municipalista de longa data sempre cioso do direito de secessão, com a sua estratégia de baixar impostos via “privatização radical da despesa” (sic), incluindo nesta a saúde e a educação e terminando com uma proposta “moderada” com que a maioria dos presentes sonharia, privatizar a despesa em 50% para baixar os impostos em igual medida.

Pelo meio, algumas intervenções mais ou menos “centralistas”, mas pontilhadas de bom senso:

– A da Margarida Bentes Penedo, a questionar a racionalidade de descentralizar com uma pulverização administrativa (308 concelhos) falha de massa crítica e a insurgir-se contra o construtivismo da “reforma de mentalidades”, com acusação implícita e pertinente a muito regionalista do burgo;

– A do Manuel Pinheiro, nosso prezado anfitrião “comunista”, denunciando a lógica perversa e pouco ou nada estruturante de fundos europeus, que se esfumam em organismos do Estado ou em empresas com ligação umbilical;

– O António Xavier, este nada centralista e a chamar a atenção para a miríade de PMEs sem capital mas lideradas por quem assume riscos e cria emprego, em contraponto às empresas do regime, ancoradas no Estado e com capacidade para sugar a massa cinzenta daquelas. Permitiu ao Camilo passar da Altice e do Fundão para a sua “heroína de Baião”, que exporta 95% sem subsídios.

E pronto, ficou provado que a Regionalização é tema saudavelmente fracturante e que justifica mais debates. Mas para dar mais “pica” Telmo, da próxima tens de convidar um socialista, daqueles mais empedernidos.

Deixe uma resposta